Moléculas de animais marinhos e anfíbios para o estudo de novos alvos moleculares e tratamentos para a Doença de Alzheimer

    A Doença de Alzheimer (DA) é a 7ª causa de morte no mundo, sem cura até o momento, sendo que o único tratamento clínico disponível é baseado em anticolinesterásicos. Acredita-se que a atividade de secretases sobre a proteína APP gera certos peptídeos amiloides que se agregam e acumulam em regiões do cérebro, causando disfunção mitocondrial, lisossomal, inflamação e apoptose.
     O melhor entendimento do mecanismo da doença, em nível celular, se faz necessário, bem como a busca por novas moléculas para um possível tratamento. Neste trabalho, novos inibidores de secretases, inflamassomo, liberação de espécies reativas de oxigênio e moduladores de catepsinas serão buscados a partir de extratos de animais marinhos e anfíbios da biodiversidade brasileira.

AD.png
Auxílio Regular FAPESP 19/19929-6

Equipe

Karine.jpg

Karine C. Q. Banagouro

Aluna de Mestrado

Thabatta.jpg

Thabatta G. M. Romanek

Aluna de Iniciação Científica

Paola de Blasio

Aluna de Iniciação Científica

Hugo.jfif

Dr. Hugo Vigerelli

Biólogo, Mestre e Doutor em Toxinologia